À margem das traduções

Enquanto escrevia a postagem anterior, sobre os erros que encontrei na tradução de “Retrato do Artista Quando Jovem” feita por José Geraldo Vieira, descobri que na década de 1940 um sujeito fazia trabalho semelhante. Em coluna semanal para o Diário de Notícias, do Rio de Janeiro, Agenor Soares de Moura expunha, corrigia e explicava os erros que encontrava em traduções de literatura, filosofia, história. Seus artigos foram reunidos e publicados em 2003, no livro intitulado “À margem das traduções” (mesmo nome de sua coluna no jornal), pela editora Arx. O trecho que vai na imagem é um exemplo do trabalho desse crítico de traduções que, apesar de duro, era bastante didático e bem-humorado.

Uma coleção de erros: Retrato do Artista Quando Jovem, de James Joyce, por José Geraldo Vieira

Faz pouco mais de dois anos que comecei a aprender a ler direito. Antes, eu lia literatura desprezando os detalhes, procurando no enredo – e apenas no enredo – uma espécie de prazer emocional como o que sentimos assistindo a um filme de suspense policial, ou àquelas comédias românticas “água-com-açúcar”. Com a orientação do professor Francisco Escorsim, aprendi a fazer uma leitura mais atenta, utilizando a imaginação de modo a vivenciar a história, a entrar mesmo na pele dos personagens, terminando então a leitura com uma experiência adquirida, e não apenas com aquele prazer da tensão resolvida, do final feliz.

Mas, como eu disse, faz pouco tempo que comecei essa reeducação e, assim, ainda preciso fazer um bom esforço para ler corretamente, principalmente trechos mais complicados, cuja decifração às vezes me toma algum tempo. Quando o livro que estou lendo é uma tradução, uma olhada no texto original normalmente clarifica o sentido das frases mais difíceis. Acontece que, fazendo isso, às vezes acabo encontrando problemas na tradução. Foi assim que descobri a mutilação no “Lord Jim” de Mário Quintana e foi assim, também, que me deparei com vários erros na versão feita por José Geraldo Vieira de “Retrato do Artista Quando Jovem”, de James Joyce. Continue lendo “Uma coleção de erros: Retrato do Artista Quando Jovem, de James Joyce, por José Geraldo Vieira”

Blog no WordPress.com.

Acima ↑