Dom Quixote, de Miguel de Cervantes – Traduções comparadas, 3ª parte

Nesta terceira e última parte da comparação entre as traduções de “Dom Quixote”, trago dois trechos do segundo livro e uma breve conclusão sobre elas. Se ainda não leu as duas primeiras partes, leia aqui:

Dom Quixote, de Miguel de Cervantes – Traduções comparadas, 1ª parte
Dom Quixote, de Miguel de Cervantes – Traduções comparadas, 2ª parte


Livro II, capítulo XXX

LivIICapXXX_Original
Texto original
LivIICapXXX_CastilhoAzevedoChagas
Tradução Castilho, Azevedo e Chagas
LivIICapXXX_AndradeAmado
Tradução Andrade e Amado
LivIICapXXX_Molina
Tradução Molina
LivIICapXXX_Ssó
Tradução Ssó
  • Todos os tradutores, com exceção de Molina, acabaram modificando um pouco o estilo do texto, ao repetir termos que tinham sido ocultados ou substituídos no original. São estes dois trechos:
    • “Este tal Caballero de los Leones, que no ha mucho que se llamaba el de la Triste Figura…”. Aqui, as três traduções mencionadas repetiram a palavra cavaleiro desnecessariamente, pois ela fica implícita por conta do que é dito antes.
    • “…sea servida de darle licencia para que, con su propósito y beneplácito y consentimiento, él venga a poner en obra su deseo, que no es otro, según él dice y yo pienso, que de servir a vuestra encumbrada altanería y fermosura; que en dársela vuestra señoría…”. Novamente, a repetição de licença é aqui desnecessária, a não ser como um auxílio para o leitor, que pode ter se perdido com a prolixidade de Sancho. Observe, porém, que essa suposta dificuldade é resultado do texto em si, e não da sua transposição para a nossa língua.
  • A tradução de Ernani Ssó traz ainda outro trecho em que algo semelhante acontece:
    • “…que não faz muito tempo se chamava Cavaleiro da Triste Figura…” (“…que no ha mucho que se llamaba el de la Triste Figura…”). Os outros tradutores utilizaram “não há/faz muito [que] se chamava…”, como no original, e a frase é perfeitamente compreensível, já que é uma expressão corrente; não há necessidade de indicar que se está falando de tempo.
  • Ernani Ssó parece ter se confundido com o final deste trecho. Quando Sancho diz “que en dársela vuestra señoría hará cosa que redunde en su pro y él recibirá señaladísima merced y contento”, está convencendo a caçadora a conceder a Dom Quixote a tal licença que tinha acabado de solicitar. Para isso, ele emprega dois argumentos: 1) dar essa licença é uma ação que resultará em benefícios à senhora e 2) Dom Quixote (él, ele) ficará muito contente por receber tão grande favor. Na primeira parte da argumentação de Sancho, Ssó entendeu que quem praticaria a ação mencionada (que traria benefícios à caçadora) seria Dom Quixote, e no intuito de deixar a frase mais clara adicionou ainda “ele cometerá façanhas”. No meu entender, quando Sancho diz em seguida “y él” (“e ele”), fica clara a mudança de sujeito: na primeira parte da argumentação o sujeito é “vossa senhoria” e na segunda parte é “ele” (Dom Quixote).
  • Tanto Castilho, Azevedo e Chagas, quanto Molina, mantiveram o ritmo do texto original ao não dividir o primeiro parágrafo em dois períodos, que é o que fizeram os outros tradutores.

Livro II, capítulo XXXIV

LivIICapXXXIV_Original
Texto Original
LivIICapXXXIV_CastilhoAzevedoChagas
Tradução Castilho, Azevedo e Chagas
LivIICapXXXIV_AndradeAmado
Tradução Andrade e Amado
LivIICapXXXIV_Molina
Tradução Molina
LivIICapXXXIV_Ssó
Tradução Ssó
  • “Del dicho al hecho hay gran trecho”: a dificuldade para traduzir esse ditado está na rima, que Castilho, Azevedo e Chagas (“do dizer ao fazer vai grande distância”), Andrade e Amado (“o dizer está muito longe do fazer”) e Ssó (“entre o digo e o faço há um bom pedaço”) reduziram a apenas dois termos; Molina conseguiu uma tradução muito próxima do original, mantendo a rima nos três termos (“do dito ao feito há grande eito”).
  • “Tripas llevan pies, que no pies a tripas”: Ernani Ssó não fez uma tradução literal como os outros tradutores, mas substituiu o ditado por outro mais conhecido e de significado semelhante, “saco vazio não para em pé”.
  • Os ditados, em geral, têm em si alguma musicalidade, algum ritmo, mesmo que não sejam rimados. Na comparação deste trecho, as diferenças de musicalidade talvez sejam a coisa mais interessante a se observar.

Conclusão

Podemos situar a tradução de Sérgio Molina e a de Ernani Ssó em extremos opostos: a primeira segue muito de perto o original, valendo-se da semelhança entre as duas línguas e trazendo o leitor até o texto, através de abundantes notas de rodapé; a segunda leva o texto até o leitor, optando por termos mais conhecidos atualmente, substituindo expressões por suas explicações e tentando resolver possíveis ambigüidades do texto de Cervantes. As outras duas ficam no meio: a de Castilho, Azevedo e Chagas mais próxima da de Molina (mas sem notas de rodapé na maioria das edições, o que é um grande ponto negativo), e a de Andrade e Amado mais próxima da de Ssó.

A tradução de Almir de Andrade e Milton Amado me deixou com a sensação de que os tradutores procuraram corrigir imperfeições do texto de Cervantes e acabaram deixando o texto um pouco quadrado, duro, sem a mesma fluência que o original.

A proposta de facilitar a leitura, adotada por Ernani Ssó, não me agrada. Eu prefiro ser levado ao texto, à época, ao local da história — mesmo que isso dê mais trabalho.

Já disse na 2ª parte desta comparação que gosto quando as traduções do espanhol acompanham o original muito de perto, o que é permitido pela semelhança dessa língua com o português. Por isso, pela fluência do texto, pela grande quantidade de notas de rodapé e pelo que mais foi visto nesta comparação, julgo que a melhor tradução de Dom Quixote é a de Sérgio Molina.


Para qualquer dúvida, crítica ou sugestão, use a caixa de comentários abaixo. Para receber um aviso por e-mail a cada nova postagem do blog, cadastre-se no campo um pouco mais abaixo. Siga-me também nas redes sociais:

Instagram: @classicostraduzidos

Facebook: facebook.com/ctraduzidos

10 comentários em “Dom Quixote, de Miguel de Cervantes – Traduções comparadas, 3ª parte

Adicione o seu

  1. Luiz Felipe, muito obrigado por compartilhar seu cotejo e parabéns pelo trabalho!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! Sou professor de Língua Portuguesa e Literatura do IFRN Campus Pau dos Ferros, aqui no Rio Grande do Norte, e decidi trabalhar este ano com Dom Quixote para dar conta de uma das pautas da disciplinas Língua Portuguesa IV, oferecida para os alunos do Ensino Médio Técnico Integrado, que é best sellers. Já tinha feito o download de algumas versões na internet para que eles (os que não queiram ou possam comprar o livro) pudessem ler. Mas depois desses posts, vou escanear a minha edição, que traz a tradução de Sérgio Molina, e compartilhar com eles. Obrigado!

    Curtido por 1 pessoa

  2. Luiz Felipe, seu blog foi um achado. Há muito, vinha procurando por análises de traduções (principalmente, dos clássicos). Muito obrigado por nos oferecer textos tão esclarecedores.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: